Saiba Mais: Aipim, Mandioca e Macaxeira (parte 1): escolher, conservar e usar

maio 9, 2008

Macaxeira, mandioca e aipim, são alguns dos diversos nomes pelos quais é conhecida essa raiz que tem uma casca rugosa, facilmente destacável, e que, dependendo da variedade, pode atingir até 1 metro de comprimento. Originária da América do Sul, ela já era largamente utilizada como alimento pelos índios muito antes do descobrimento do Brasil, tendo sido transmitido por eles o hábito de consumi-la. Com sua farinha são feitos beijus, pirões, sopas e mingaus, e seu polvilho é aproveitado para engomar roupas e na fabricação de explosivos.

A classificação da mandioca baseia-se no teor de uma substância tóxica que ela possui: o ácido cianídrico. A mandioca-brava ou mandioca-amarga ou simplesmente mandioca é rica em ácido cianídrico, mas perde sua toxicidade no processo do cozimento e torrefação. Com ela são produzidas a farinha e a tapioca. A mandioca é matéria-prima de duas receitas típicas do Pará: com um caldo amarelo extraído da mandioca e cozido por dias, é preparado o tucupi; com suas folhas e carne de porco salgada se prepara a maniçoba.

A mandioca-mansa ou mandioca-doce ou aipim tem as raízes comestíveis, podendo ser consumido cozido ou assado (com uma calda doce para o café da manhã ou puro como acompanhamento de carnes). É também essa variedade a utilizada para o preparo de bolos e pudins.

Valor nutritivo

O aipim é boa fonte de energia, não tem proteínas nem gorduras e contém grande quantidade de vitaminas do complexo B, principalmente a vitamina B3 (niacina), além de boa quantidade de potássio.

Como comprar

Normalmente o aipim já é vendido com a ponta cortada para que se possa verificar sua qualidade. O aipim deve apresentar uma coloração branca uniforme, sem manchas pretas (a variedade amarela é venenosa e não deve ser utilizada na culinária). Deve ter certa umidade e a casca deve soltar-se com facilidade. Também é possível encontrar o aipim já descascado embalado a vácuo.

Conservação

O aipim deve ser consumido logo após a compra. Mesmo se as raízes estiverem inteiras, não devem ser guardadas por mais do que dois dias. Estando partidas e desejando-se conservá-las por mais tempo, deve-se descascá-las e deixá-las na geladeira em uma vasilha coberta com água. No caso do aipim embalado a vácuo, deve-se observar a validade indicada na etiqueta. O aipim pode ser congelado, tanto ainda cru, quanto depois de cozido.

Como usar

Para uso culinário, o aipim deve ser bem lavado e cortado em pedaços grandes. Em seguida faça um corte no sentido do comprimento, atingindo toda a espessura da casca. Com a ponta de uma faca afiada, desprenda a casca. Corte pedaços mais ou menos do mesmo tamanho para que cozinhem ao mesmo tempo. O aipim só deve ser posto na água para cozinhar quando esta estiver fervendo, o que reduz o tempo de cozimento, evita que ele fique encharcado e propicia melhor aproveitamento de seu valor nutritivo. O cozimento deve ser feito com a panela aberta para que perca o ácido cianídrico por meio da evaporação. Pode-se também assar o aipim em forno alto (de preferência com a casca), bem lavado e embrulhado em papel alumínio. Como o tempo de cozimento varia muito, espete o aipim com um palito de churrasco, se este atravessá-lo sem dificuldades significa que está cozido.

Clique aqui para ler “Aipim, Mandioca e Macaxeira (parte 2): farinha, fécula, polvilho, tapioca e sagu”

Clique no nome da receita para ver ingredientes, modo de preparo, dicas e a foto em tamenho grande:

 Bolo de Aipim (Mandioca ou Macaxeira) de Liquidificador

Clique aqui e veja todas as receitas

Clique aqui e saiba mais sobre os alimentos

Aviso Importante: Este é um blog de culinária. O objetivo dos textos sobre os alimentos é meramente o de estimular o leitor a consumir uma dieta variada e nutritiva. Todas as informações a respeito dos benefícios advindos do consumo diário e contínuo de determinados alimentos são obtidas através da pesquisa realizada em publicações sobre o assunto. O tratamento de doenças deve ser realizado com acompanhamento médico.

Clique aqui para ler a bibliografia

About these ads

12 Respostas to “Saiba Mais: Aipim, Mandioca e Macaxeira (parte 1): escolher, conservar e usar”

  1. Neide Pires Says:

    Não sabia que a mandioca já cozida, poderia ser congelada. Valeu…

  2. Silvio Says:

    Parabéns! Gostei muito. Está muito bem explicado! Até me deu fome. :D

  3. fabricio Says:

    mandioca é aipim é macaxeira num sabia

  4. Calíope Says:

    Nossa, que postagem instrutiva!!
    Muito obrigada por compartilhar essas informações, me ajudou muito…

    Bjus
    @OMundoDeCaliope

  5. Oriana Says:

    Foi de grande utilidade saber que a macaxeira é um alimento rico em acido cianidrico.

  6. amanda Says:

    parabens,sou tecnica em agropecuaria,e adorei as informacoes contidas no texto.

  7. valdir Says:

    foi de grande importancia o conhecimento obtido. parabens!

  8. edna Says:

    Maravilha, parabens pela materia.

  9. Jucileide Says:

    precisava muito dessa informação, pois consumo bastante macaxeira, e gosto, mas precisava aprender sobre conservá-la. Brigadão.

  10. pedro morais carneiro filho Says:

    pretendo trabalhar com aipim congelado,e gostei muito das informaçoes, parabens.

  11. Acton Says:

    Valeu pelas informações! Foram de extrema utilidade.

  12. heloísa Says:

    faço curso tecnico em alimentos e adorei o que li parabéns


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 58 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: